Centro Israelita | A contagem do Omer na visão de Maimônides
20359
post-template-default,single,single-post,postid-20359,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

A contagem do Omer na visão de Maimônides

A contagem do Omer na visão de Maimônides

É tradição que façamos a contagem do Omer a partir do 2º dia de Pessach. Ela parece ter sido instituída para fazer uma conexão entre Pessach e Shavuot, duas festividades separadas exatamente por sete semanas.

Pessach indica o começo da colheita de grãos. O primeiro grão (cevada) era cortado em Pessach, e uma pequena quantidade (Omer) era levada para o Templo como oferenda no segundo dia de festa. Pelos 49 dias seguintes, cada um era marcado (contado), e esse período chegou a ser conhecido como ‘sefirá’ (contagem). O 50º dia era Shavuot, quando o segundo grão (trigo) era colhido e levado ao Templo como oferenda.

De acordo com Maimônides, a importância de se contar os dias entre o Êxodo do Egito e o aniversário de entrega da Torá, no Monte Sinai, reside no seguinte: libertar-se da escravidão não é um fim em si mesmo, ou seja, liberdade sem lei é uma bênção duvidosa. Por isso a conexão entre duas das mais significativas festas de nosso calendário.

 

 

No Comments

Post A Comment