Centro Israelita | Cemitérios
20
page-template-default,page,page-id-20,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

Cemitérios

Após o óbito, contatar a Sinagoga pelo telefone 3279.6542, em horário comercial, ou 99115.4879, em horários de plantão, para que possa ser encaminhado o velório e posteriormente o enterro no Cemitério Centro Israelita, Rua Guilherme Schell, 315.

Ao receber o atestado de óbito no hospital (ou clínica) conferir junto ao médico responsável se o mesmo está preenchido corretamente. Qualquer dado incorreto pode gerar recusa por parte do cartório em registrar a certidão de óbito.

O responsável, ao se dirigir ao hospital (ou clínica), deve ter em mãos a identidade do falecido (a).
Procurar a funerária para tratar do serviço funeral: caixão/urna/acompanhamento para liberação de documentação e transporte do corpo.

O funeral israelita não permite o uso de adornos florais (coroas e mantos de flores).

A funerária responsável não pode cobrar por qualquer tipo de preparação do corpo, pois este serviço será feito pelo cemitério. Os serviços da funerária se resumem ao transporte do corpo dentro da cidade e ao acompanhamento do familiar responsável pela liberação do corpo junto à Central de Atendimento Funerária (Rua Santana, 966) e, após, ir ao Cartório de Registros e Óbitos da 4ª Zona (Av. Osvaldo Aranha, 236 – POA – 3224.1675)

A funerária deve fornecer velas para o velório. Este ritual, no judaísmo, é realizado exclusivamente à luz de velas (não podem ser luzes) e devem acompanhar o corpo desde a chegada no cemitério.

O corpo deve ser entregue à funerária, apenas enrolado em lençol, no mesmo estado em que estava no momento de constatação de óbito. Todos os preparativos serão realizados no cemitério de acordo com as normas judaicas.
Em caso de óbitos após às 19h, a funerária pode remover o corpo até às 8h. Caso o óbito ocorra na sexta-feira após às 10h, o corpo deverá permanecer em câmara fria do hospital ou na funerária até domingo as 8h, horário em que poderá dar entrada no cemitério para o velório.

Por medidas de segurança, o cemitério permanece fechado durante a noite.

As informações referente aos horários citados acima poderão ser revistas, caso a família solicite à administração do Centro Israelita para que o velório seja feito durante a noite de sexta-feira e o sábado, até o horário permitido para o sepultamento. Neste caso, serão contratados seguranças e funcionários, às expensas da família.

 

CEMITÉRIOS
Cemitério do Centro Israelita
– Rua Vicente da Fontoura, 315 (entrada nos dias de visitas)

**Horários de visitação ao Cemitério:
– De Segunda a Quinta-feira, das 7h12min às 12h e das 13h30min às 17h
– Sexta-feira, das 7h12min às 16h
– Domingo, das 7h12min às 12h

– Rua Guilherme Schell, 315 (entrada para velórios)

Cemitério da Tristeza
– Rua Liberal, 20 – Tristeza

* Cerimônias

* Dias não permitidos para visitação:

No ano de 5780, as visitas ao cemitério ficam proibidas nas seguintes datas:

2019

 

SETEMBRO

30 – Rosh Hashaná

 

OUTUBRO

01 – Rosh Hashaná

09 a 30 – Período entre Iom Kipur e Rosh Chodesh Cheshvan

 

NOVEMBRO

28 e 29 – Rosh Chodesh Kislev

 

DEZEMBRO

23 a 30 – Chanuka

 

2020

JANEIRO

27 – Rosh Chodesh Shvat

 

FEVEREIRO

10 – Tu Bishvat

25 e 26 – Rosh Chodesh Adar

 

MARÇO

10 – Purim

11 – Shushan Purim

26 em diante – Período entre Rosh Chodesh Nissan e Rosh Chodesh Iyar

ABRIL

Até 25 – Período entre Rosh Chodesh Nissan e Rosh Chodesh Iyar

29 – Iom Haatzmaut

 

MAIO

08 – Pessach Shení

12 – Lag Baomer

24 em diante – Período entre Rosh Chodesh Sivan e 12 de Sivan

 

JUNHO

Até 04 – Período entre Rosh Chodesh Sivan até 12 de Sivan

22 e 23 – Rosh Chodesh Tamuz

 

JULHO

22 – Rosh Chodesh Av

30 – Tisha B’Av

 

AGOSTO

05 – Tu B’Av

20 e 21 – Rosh Chodesh Elul

 

SETEMBRO

19 e 20 – Rosh Hashaná 5781

28 em diante – Período entre Iom Kipur e Rosh Chodesh Chesvan

Dúvidas Frequentes

(clique na pergunta para visualizar a resposta)

Estou obrigado a cumprir as leis do Luto?

Tradicionalmente são sete os graus de parentesco em relação à pessoa falecida que estão obrigados a cumprir as leis relativas ao luto.

São estes: pai, mãe, irmão, irmã, filho, filha e cônjuge.

Porém, o nosso Movimento Masorti salienta que, se és próximo ao falecido, embora não estejas obrigado, podes levar adiante os costumes deste período.

O que é a Shivá?

O termo Shivá significa sete, referindo-se ao primeiro período de luto que são os sete primeiros dias após o sepultamento.
Neste primeiro período é costume que os enlutados permaneçam em casa e que recebam familiares e amigos para expressar condolências e acompanhar-lhes neste momento triste.

Três vezes por dia (de manhã, à tarde e à noite) realizam-se serviços religiosos, para que os enlutados possam rezar o Kadish Iatom (de enlutados).

Os enlutados costumam estar descalços e sentados no chão, em almofadas ou cadeiras baixas.

Os espelhos da casa devem estar cobertos e uma vela permanece acesa durante estes sete dias.

Uma vez que a Shivá é encerrada, os enlutados costumam dar uma volta no quarteirão para marcar o final desta etapa.

O que acontece se não consigo cumprir com estes sete dias?

Se por diversas obrigações e circunstâncias não se consegue cumprir a Shivá, a nossa Halachá (legislação rabínica) prescreve a possibilidade de encurtar este período para três dias.

É verdade que o Shabat interrompe a Shivá?

Não. O Shabat não interrompe a Shivá nem a contagem dos dias, no entanto, para honrar o dia, os enlutados podem ir à sinagoga para as rezas.

O que é Shloshim?

A palavra Shloshim significa trinta, e se refere ao segundo período do processo do luto que é de trinta dias contados a partir do sepultamento.

Nestes dias, os enlutados não cortam cabelos e os homens não fazem a barba.

A visita ao túmulo neste período é proibida, no entanto, no trigésimo dia, é costume visitar o túmulo, marcando assim, o encerramento do Shloshim.

O que é o Kadish?

O Kadish é um hino de louvor a D”S. O Kadish não faz nenhuma referência à morte ou ao luto. É puramente uma exaltação a D”S e uma súplica por um mundo de paz.

Os cabalistas do século XVI atribuíram um caráter místico ao Kadish, alegando que toda vez que ele era recitado, a alma do falecido se elevava a um nível espiritual mais alto.

O valor intrínseco do Kadish se relaciona à pessoa que o recita. Nele há uma expressão pública de fé em D”S por parte do enlutado, uma aceitação da sua vontade mesmo em face da dor e da tristeza, uma submissão aos desígnios divinos diante da incapacidade de racionalizar uma tragédia pessoal.

O Kadish tem sido um dos fatores predominantes da continuidade do povo judeu – um elemento essencial daquele cordão umbilical que vem ligando as gerações judaicas umas às outras através dos tempos.

O que é o Yohrzeit?

O Yohrzeit é o aniversário de falecimento do nosso ente querido. É contado a partir do dia da morte, segundo o calendário judaico.

O que é Yizkor?

A prece do Yizkor nos faz lembrar nossos entes falecidos, na qual nominamos a quem estamos nos referindo. É realizada na sinagoga quatro vezes por ano: em Yom Kipur, no último dia de Pessach, no segundo dia de Shavuot e no dia de Shemini Atzeret.

Reunindo-nos como uma grande família para lembrar os nossos entes queridos, prestamos um tributo aos que partiram e reafirmamos o vínculo sagrado e indissolúvel entre os Filhos de Israel unidos na alegria e na dor.