Centro Israelita | Parashat Vaieshev
19030
post-template-default,single,single-post,postid-19030,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

Parashat Vaieshev

Parashat Vaieshev

Esta parashá nos mostra quão importante é a educação que recebemos dos nossos pais e que, seja qual for, temos a possibilidade de mudar.

Como Freud ensinou, os primeiros anos de vida, de qualquer ser humano, são decisivos na construção da personalidade do indivíduo. Tomemos o exemplo de Jacó. Ele era o filho preferido de sua mãe, mas não de seu pai. Isso significa que vivenciou em sua casa os seus próprios pais, por erros ou omissões, separarem os irmãos, talvez de uma forma irremediável. Seus pais fizeram parte da disputa que levou os irmãos Jacó e Esaú a lutarem quase que eternamente

Em Vaieshev, Jacó não pode escapar da teia construída por sees pais e que teve o papel de manter a discórdia entre os irmãos, fazendo diferenças entre ambos. Ainda foi dado a José uma bonita e cara túnica: Cutonet Pasim. Nossos sábios dizem que Pasim é o acróstico das seguintes quatro palavras: Potifar (ministro do Egito que comprou José como escravo), Sochrim (mercadores), ismaelitas (ismaelitas) e midianitas. Todos eram elos importantes da cadeia que propiciou eventos infelizes vividos por José. Mas esta história vamos retomar na próxima semana com Miketz…

Por outro lado, coexistindo com essa história dramática de engano, emaranhamento e desarraigamento, encontramos a antítese: a maravilhosa e heroica história dos macabeus. Cinco irmãos puderam reunir, encorajar e motivar um povo dizimado e fraco e transformá-lo no martelo de guerra mais poderoso. Lembre-se disso: macabeus também pode significar makebet (martelo).

Ambas as histórias são marcadas pelo fogo familiar em seu núcleo. Mas os macabeus não triunfaram apenas por sua educação, eles eram fortes e implacáveis porque essa era a decisão deles: quebrar a barreira do possível e alcançar o que ninguém jamais poderia. Sem essa determinação, nada teria sido suficiente. É a decisão e vontade de ser livre que poderia levar à glória ou ao fracasso mais profundo.

É muito fácil culpar o outro ou mesmo Deus pelas questões que só dependem da nossa decisão e determinação, pois eles eliminam o peso de nossa própria responsabilidade. Pergunto: o que teria acontecido se os macabeus acreditassem que a dominação dos gregos era por vontade divina? Haveria um milagre? A resposta é não.

Então, quebremos as cadeias de dominação do império familiar e de nosso cotidiano, destruamos as barreiras de conformidade e mediocridade para construir nossos próprios martelos, criemos nosso próprio caminho a partir do trabalho, da determinação e da vontade livre. Assim, conseguiremos alcançar os nossos sonhos.

Shabat Shalom
Rabino Marcos Perelmutter

No Comments

Post A Comment