Centro Israelita | Pessach Sheni e a segunda chance dada ao povo judeu
20526
post-template-default,single,single-post,postid-20526,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

Pessach Sheni e a segunda chance dada ao povo judeu

Pessach Sheni e a segunda chance dada ao povo judeu

Um ano após deixar o Egito, o povo judeu realizou, no dia 14 do mês de Nissan, a tradicional oferenda de Pessach. No entanto, nossas sagradas escrituras relatam que alguns homens, por estarem ritualmente impuros ou em locais distantes, não puderam fazer tal ato. Deus ordenou a Moisés, então, que tais pessoas deveriam efetuar a mesma oferenda no 14º dia do mêss seguinte, Iyar. E foi então que surgiu o Pessach Sheni, celebrado no próximo domingo (19 de maio).

Na atualidade, o seu conceito se aplica a todos os judeus, que têm por costume comer novamente um pedaço de matzá. E Pessach Sheni deixa uma lição clara: a de que um judeu nunca deve perder a esperança e de que nada é irrecuperável. Mesmo alguém que estava ritualmente impuro ou ausente numa jornada distante – voluntária ou involuntariamente – poderia se reabilitar com suas obrigações.

Sendo assim, Pessach é a única festividade que concede uma segunda chance, e isto pelo fato de ela marcar, de fato, o nascimento da nação judia. O êxodo do Egito foi o início de um processo que culminou na entrega da Torá (celebrada em Shavuot). E, como a oferenda de Pessach está ligada diretamente ao êxodo, se está não fosse feita, a identidade do povo estaria ausente. Ou seja, não havendo nascimento, não haveria existência.

No Comments

Post A Comment