Centro Israelita | “Ser judeu”, um direito que não se perde
21218
post-template-default,single,single-post,postid-21218,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

“Ser judeu”, um direito que não se perde

“Ser judeu”, um direito que não se perde

Uma criança nascida de mãe judia é considerada judia independentemente das ações futuras da mãe e/ou do pai. O Judaísmo da criança é considerado como direito natural dela, um direito que não pode ser negado pelas ações dos pais.

Ou seja: se uma mãe judia, após o nascimento de um um filho ou filha, resolve se converter, o descendente, para o Judaísmo, segue considerado como um membro da religião.

 

No Comments

Post A Comment