Centro Israelita | Tu Bishvat: deixando raízes e produzindo frutos
21262
post-template-default,single,single-post,postid-21262,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

Tu Bishvat: deixando raízes e produzindo frutos

Tu Bishvat: deixando raízes e produzindo frutos

É hora de celebrarmos o Ano Novo das Árvores. No domingo à noite (09 de fevereiro), quando chegamos a Tu Bishvat, tem início o período em que, historicamente, as primeiras árvores começam a brotar na Terra de Israel. Ou seja, é dado o pontapé inicial para um novo ciclo de produção de frutas. Mas por qual razão esta celebração é conservada em nosso calendário de festas? Nossos sábios ensinam que a árvore serve de inspiração. Suas três partes (raiz, tronco e frutos) são semelhantes à composição de um homem judeu.

Na árvore, a raiz é a parte que está escondida, mas quanto mais forte ela for, mais força a árvore terá para se manter de pé. No homem, a raiz seria a fé que ele tem em Deus e que lhe dá força para viver, estando ela embutida na consciência e dando base para seus atos.  O tronco, parte mais evidente da árvore, seria a Torá e as mitzvot, que devem ocupar boa arte da existência humana e através das quais é possível agir e se impor.

Porém, a raiz e o tronco existem para darem base ao nascimento dos frutos. De nada adiantaria uma base sólida e uma imponência se os mesmos não aparecessem. No paralelo com o ser humano, não podemos nos contentar com um judaísmo cuja mera preocupação seja nossa própria pessoa. Devemos, sim, influenciar as pessoas em nossa volta. Tu Bishvat Sameach!

No Comments

Post A Comment