Centro Israelita | Um pouco da história de nossa eterna capital…
19488
post-template-default,single,single-post,postid-19488,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

Um pouco da história de nossa eterna capital…

Um pouco da história de nossa eterna capital…

A cada ano, celebramos nossa eterna capital. Iom Ieruslalaim, ou o Dia de Jerusalém, é sempre comemorado em 28 de mês de Iyar.

A parte oriental de Jerusalém foi anexada por Israel durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967. em 12 de março de 1968, o governo israelense proclamou o 28 de Iyar como o feriado do Dia de Jerusalém. Já em 23 de março de 1998, o Knesset, Parlamento do Estadu judeu, aprovou a lei esta data como feriado nacional no país.

Jerusalém está indissoluvelmente ligada ao povo judeu. Seu status especial para a tradição judaica remonta a cerca de 4.000 anos. quando Deus conclamou Abraham a sacrificar Isaac no Monte Moriá – local posterior do Templo. Em 1004 a.E.C., David fez da cidade a capital de seu reino e seu filho, Salomão, lá construiu o Templo Sagrado. A cidade permaneceu como capital da dinastia de David durante 400 anos, até ser conquistada e destruída pelo babilônios, em 586 a.E.C. Com o beneplácito da Pérsia, que conquistara a Babilônia, os judeus tiveram permissão de retornar à Terra de Israel e, 70 anos mais tarde, reconstruir sua Cidade Sagrada e o Templo de Jerusalém. A cidade continuou sendo o ponto de convergência da cultura e da religião judaica durante os cinco séculos e meio que se seguiram.

Quando o Império Selêucida-helenístico violou o Templo, irrompeu a revolta dos Macabeus (em 167 a.E.C.), sendo restaurada a independência judaica, tendo por sede Jerusalém. No ano de 63 a.E.C., o Império Romano conquistou Jerusalém. Depois de sofrerem opressão religiosa, os judeus rebelaram-se contra Roma, no ano 70 desta Era, sendo destruída Jerusalém e seus habitantes exilados e escravizados, em várias partes do vasto Império Romano. Em 136 da E.C., após a Revolta de Bar Kochba, o Monte do Templo foi arrasado pelos romanos. Jerusalém foi reconstruída como uma cidade pagã – tendo o seu nome trocado para Aelia Capitolina – na qual os judeus tinham a sua entrada proibida.

Ao longo de todos os períodos subsequentes de ocupação estrangeira em Jerusalém – romanos (até 324 E.C.), bizantinos (324-614), persas (614-638), árabes muçulmanos (638-1099), cruzados europeus (1099-1291), mamelucos (1291-1516), turcos otomanos (1516-1917) e britânicos (1917-1948), a presença judaica e a íntima ligação com Jerusalém foram constantes e duradouras. Desde 1844 (quando se realizou o primeiro recenseamento público oficial), os judeus sempre constituíram o maior grupo étnico da cidade.

(Fonte: webjudaica.com.br)

No Comments

Post A Comment