Centro Israelita | Uma reflexão sobre Tu B’Av
20817
post-template-default,single,single-post,postid-20817,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

Uma reflexão sobre Tu B’Av

Uma reflexão sobre Tu B’Av

Alguns chamam-lhe o “feriado do amor”, ou o “dia das almas gêmeas”. O Talmud chama-lhe “o dia mais alegre do ano”. Embora haja bastantes explicações diferentes em torno do que há de tão especial acerca do Tu B’Av, há uma em particular que considero ser tremendamente profunda: Tu  B’Av, o 15º dia de Av, celebra-se quarenta dias antes da data da Criação, o 25º dia de Elul, o momento em que a Luz do Criador decidiu que a humanidade fosse criada.

Os  kabalistas  ensinam que quarenta dias antes de cada um de nós nascer, é tomada a decisão sobre quem será a nossa alma gêmea. Assim, quarenta dias antes da humanidade surgir, no Tu B’Av, foi formada a energia para a unificação das almas gêmeas. Mesmo antes da criação do Homem, neste dia foi despertada a Luz de todas as almas gêmeas a serem alguma vez criadas. Então, quer pensemos em estar numa relação, ou já a tenhamos mas desejemos aprofundá-la ou elevá-la, não há melhor dia do ano para se beneficiar dessa poderosa energia da alma gêmea.

A um nível básico, é frequente pensarmos que quando nos unimos à nossa alma gêmea, esse é um dia de alegria. Mas é importante entender que o Talmud considera-o alegre não por causa do momento inicial da conexão, ou por ser o início de um relacionamento, mas porque é o dia que contém a versão aperfeiçoada da própria relação com a alma gêmea. E é apenas quando realizamos o trabalho espiritual durante trinta, quarenta, cinquenta anos (ou mais!), e quando crescemos juntos, que nos tornamos nessa união aperfeiçoada. Na verdade, não existe tarefa mais importante do que o trabalho que realizamos nos nossos relacionamentos; o Zohar ensina que a maior bênção do mundo é obter o mérito de se estar com alguém que nos empurra para o crescimento, e que também está receptivo a ser empurrado por nós para crescer.

Há ensinamentos dos kabalistas que dizem que quando há discórdia num relacionamento, quando há discórdia entre marido e mulher, isso reverbera através de todo o universo, criando animosidade ou ampliando animosidade já existente. Portanto, temos a responsabilidade de não apenas crescermos, de não apenas conhecermos o seu propósito – que é ajudar-nos e empurrar-nos – mas também de entendermos que estarmos verdadeiramente a crescer no amor, ou não, também influencia o mundo. Então, é importante, no Tu B’Av, ter consciência de que a Luz (criada através do relacionamento com a alma gêmea) que estamos a atrair ou a elevar, não é apenas para nós, mas para todo o mundo.

Texto escrito por Michael Berg e disponibilizado pelo site http://pt.kabbalah.com/.

No Comments

Post A Comment